Fique atento ao Glaucoma

O glaucoma é uma doença ocular capaz de causar cegueira se não for tratada a tempo

Na última sexta-feira, 26 de maio, foi celebrado o Dia Nacional de Combate ao Glaucoma, segunda maior causa de cegueira irreversível no mundo. Estima-se que entre 2% e 3% da população brasileira acima de 40 anos possam ter a doença, segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO). É uma doença crônica que não tem cura, mas, na maioria dos casos pode ser controlada com tratamento adequado e contínuo. Doenças como diabetes, hereditariedade, miopia e lesões oculares são as principais causas do glaucoma.

O Presidente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), Homero Gusmão, respondeu as principais duvidas sobre a patologia e alertou que o glaucoma é uma doença pra toda vida, como muitas outras - e precisa de cuidados especiais. Veja abaixo: 

1-O que é Glaucoma? 
Basicamente, o glaucoma é uma pressão intraocular elevada, que leva a lesão do nervo ótico. Quanto mais precoce for o diagnóstico, maiores serão as chances de se evitar a perda da visão. Para isto, você deve consultar seu oftalmologista regularmente. Durante a consulta, ele fará ou solicitará diversos exames que poderão diagnosticar o glaucoma, tais como: exame do fundo do olho, medida da pressão intraocular e exame de campo visual.
 
2- Quais são os sintomas? 
São vários os tipos de glaucoma. Existem os crônicos de ângulo aberto, agudos e glaucomas secundários a outras doenças oculares. O glaucoma crônico não tem sintomas (ângulo aberto), pois só surgem quando a doença está no estágio final. Os agudos surgem com dores intensas e perturbação visual.
 
3- É hereditário? 
Ele tem componente hereditário, mas são vários genes envolvidos. Existe uma tendência que faz com que parentes tenham maiores chances de desenvolver. Na população geral, ao longo da vida, a chance gira em torno de 2%. No caso de parente de primeiro grau, a incidência é 10 vezes maior. 
 
4- Tem cura? Qual o tratamento? 
Glaucoma não tem cura, tem controle. Qualquer que seja o tratamento, mesmo cirúrgico ele não é uma cura, o panorama pode se modificar, mas sob controle. São vários os tipos de tratamentos, geralmente se inicia com colírios. A maioria dos glaucomas é equilibrada com colírio. A segunda opção, em casos de certos tipos, o laser é indicação. A cirurgia é indicada quando não existe controle. Varia de cada caso e tipo. 
 
5-Existe prevenção?  
Não existe. O que existe é prevenção da cegueira pelo glaucoma que é feito com tratamento e cuidado adequado. 
 
6- Qual é a pressão intraocular normal e qual a relação com o Glaucoma? 
Embora existam glaucomas em que a pressão intraocular não está elevada (glaucoma de pressão normal) a regra é a presença de uma pressão elevada. Cada organismo é de um jeito. Em geral o limite superior é em torno de 20 e 21 milímetros. A normal varia de 8 a 21. 
 
7- Existe um tempo determinado para a pessoa portadora de glaucoma perder a visão? 
O tempo da perda visual vai variar de acordo com cada tipo de glaucoma e com cada indivíduo. Vai depender muito dos cuidados adequados, e lembrar que cada pessoa é única. Se a pessoa cuidar adequadamente, nas mãos de um bom profissional, a chance de perder a visão é mínima. 
 
8- Quando se faz cirurgia de glaucoma? 
Geralmente quando os outros componentes (colírios e laser) não controlam a doença.
 
9- Quais são os tipos de cirurgia? 
Cirurgias consistem em promover uma drenagem do líquido do olho (humor aquoso). A cirurgia consiste em fazer um canal alternativo para saída desse líquido, que faz aumentar a pressão ocular. Pode ser com próprio tecido do olho ou válvulas que são implantadas (em certos casos específicos).
 
10- Qual a porcentagem de brasileiros com Glaucoma? 
A incidência varia enormemente com a idade. A população geral em torno de 2%, após os 60 anos em torno de 5% e após 80, já sobe para 8%. 
 


Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter