Fique atento ao Glaucoma

O glaucoma é uma doença ocular capaz de causar cegueira se não for tratada a tempo

Na última sexta-feira, 26 de maio, foi celebrado o Dia Nacional de Combate ao Glaucoma, segunda maior causa de cegueira irreversível no mundo. Estima-se que entre 2% e 3% da população brasileira acima de 40 anos possam ter a doença, segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO). É uma doença crônica que não tem cura, mas, na maioria dos casos pode ser controlada com tratamento adequado e contínuo. Doenças como diabetes, hereditariedade, miopia e lesões oculares são as principais causas do glaucoma.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Instituto Mauá de Tecnologia e Ethos investem em formação para diversidade e inclusão

Curso do Instituto Mauá formou a primeira turma em 2016. Para os novos alunos, conteúdo será centrado em inovação, orientando no desenvolvimento, implementação e gestão de projetos

Uma parceria com o Instituto Ethos baixou o preço da pós-graduação ‘GEDI – Gestão Estratégica em Diversidade e Inclusão’ oferecida pelo Instituto Mauá de Tecnologia, além de modificar o conteúdo do curso.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Instituto Ayrton Senna lança tirinhas acessíveis para pessoas com deficiência visual

Parceira com o Quadro por Quadro disponibilizará tirinhas semanais do personagem Senninha 

A partir de agora pessoas com deficiência visual poderão ter acesso às tirinhas do personagem Senninha. A iniciativa é fruto da parceria firmada entre o Instituto Ayrton Senna e o Quadro por Quadro, plataforma que reúne quadrinhos e tirinhas acessíveis de personagens como Armandinho e Gui e Estopa. Uma nova história será publicada semanalmente e ficará disponível no site Quadro por Quadro. 

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Criador de Aplicativo Premiado compartilha história de superação

Sabe aquela frase “Você nunca sabe a força que tem, até que a sua única alternativa é ser forte”? Pois é, ela se encaixa exatamente na vida do programador Luiz Eduardo Porto Mariz de Oliveira. Aos 49 anos e atual morador de São Caetano do Sul, ele é um exemplo claro de superação para todas as pessoas que, assim como ele, lutam contra alguns obstáculos devido à falta de visão.

Leia mais...

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Memorial da inclusão recebe exposição em homenagem aos 463 anos da cidade de São Paulo



A exposição conta com audiodescrição, impressão dos textos em dupla leitura (português e braile) e com fonte ampliada e módulos expositores acessíveis

Começou no dia 23 de janeiro, no Memorial da Inclusão, da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, a exposição “São Paulo, terra boa!”. A mostra apresenta releituras de monumentos paulistas por meio de 29 telas produzidas por pintores com a boca e os pés, em homenagem aos 463 anos da cidade de São Paulo.

A exposição retrata parte dos monumentos históricos e pontos turísticos paulistanos como patrimônio cultural de modo a fomentar o interesse pela arquitetura, lazer e cultura desses espaços. A mostra fica aberta à visitação  até 23 de fevereiro.

Os artistas integram a Associação dos Pintores com a Boca e os Pés (APBP), fundada em 1956 quando  Erich Stegmann reuniu um pequeno grupo de artistas com deficiência física de oito países europeus com o objetivo de trabalharem com arte. Atualmente, a Associação está presente em mais de 70 países, e no Brasil conta com 53 artistas.

 
SERVIÇO
“São Paulo, terra boa!”
Data de visitas: Até  23 de fevereiro de 2017
Horário: Segunda a sexta-feira, das 10h às 17h - Sábados, 28 de janeiro e 18 de fevereiro, das 13h às 17h
Local: Memorial da Inclusão – Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo
Endereço: Av. Auro Soares de Moura Andrade, 564 – Portão 10 – Barra Funda –Próximo da Estação Palmeiras - Barra Funda do Metrô e CPTM - São Paulo – SP
ENTRADA FRANCA

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

App auxilia no dia a dia de pessoas com deficiência visual

Através da câmera do celular é possível transmitir, em áudio, objetos e cores


As novas tecnologias vieram mesmo para facilitar e revolucionar o cotidiano da população. E quando a ferramenta é utilizada como forma de inclusão para que pessoas com algum grau de deficiência visual possam vencer obstáculos corriqueiros? Melhor ainda!

A inovação da vez é o Aipoly Vision, que identifica em tempo real, através da câmera do celular, cores e objetos e os descrevem em áudio aos usuários, a fim de facilitar a rotina de um deficiente visual.  

A ideia é o que aplicativo se aperfeiçoe cada vez mais e reconheça elementos com mais precisão. O Aplicativo é gratuito e está disponível em sete idiomas, apenas para o sistema IOS, mas o desenvolvedor já anunciou que em breve será lançado para Android.

Confira abaixo o vídeo de divulgação que consta no site oficial:

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Parceria entre Instituto Mauricio de Sousa e Fundação Dorina Nowill é lançada oficialmente

Durante evento entidades selaram a união em projeto que promoverá a inclusão de pessoas com deficiência visual

Aconteceu na última quinta-feira, 19 de janeiro, em evento exclusivo para convidados, o lançamento oficial que selou a parceria entre o Instituto Mauricio de Sousa e a Fundação Dorina Nowill para Cegos. A união entre as entidades tem como objetivo o desenvolvimento de um projeto voltado para promover a inclusão de pessoas com deficiência visual, por meio de materiais educativos e produtos acessíveis, que terão a imagem da personagem Dorinha estampada. Parte da renda será revertida para manter o projeto.

O desenhista e criador da Turma da Mônica, Mauricio de Sousa, esteve presente no encontro, que aconteceu na Fundação Dorina, acompanhado da personagem Dorinha. A cerimônia de lançamento também contou com a presença do superintendente da Fundação, Alexandre Munck, com a presidente do Conselho da Fundação Dorina Nowill, Ika Fleury, e com a secretária de estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Linamara Rizzo Battistella.

Durante o evento, houve sessão especial de Cine Gibi 8 com audiodescrição, para crianças com e sem deficiência.

Para Mauricio de Sousa, a parceria representa a continuação de um trabalho iniciado em 2004. “Hoje, na verdade, só estamos formalizando essa união, porque já temos trabalhado muito para promover a Dorinha, personagem que nasceu com toda a carga emocional que merecia. Quando ela vai a algum lugar, é coberta de perguntas que correspondem às curiosidades das crianças. E há um preparo muito grande dos artistas que interpretam a personagem, para responder a essas perguntas de acordo com um vasto aprendizado que tive com a própria Dorina Nowill”, disse Mauricio de Sousa ao público do evento.

Segundo a presidente do Conselho da Fundação Dorina Nowill, Ika Fleury, “essa parceria é um grande ganho para todos. Vamos pensar em produtos diversos, para todos os públicos e que possa ampliar a presença de uma personagem que pode mudar a consciência e aumentar o conhecimento sobre a deficiência visual desde a infância”, afirmou.

Dorinha foi uma das primeiras personagens com deficiência a integrar a Turma da Mônica. Ela foi criada por Mauricio de Sousa, inspirada em Dorina Nowill, e foi apresentada ao público quando chegou às bancas, em novembro de 2004. Quase 13 anos se passaram e essa iniciativa promete ampliar a aparição da personagem, que representa os portadores de deficiência visual nas histórias em quadrinhos mais famosas do Brasil.


Sobre a Fundação Dorina Nowill para Cegos

A Fundação Dorina trabalha há 70 anos pela a inclusão de pessoas cegas e com baixa visão em todo o Brasil. A instituição promove a autonomia e independência das pessoas com deficiência visual e busca garantir acesso à cultura e informação por meio de serviços especializados e gratuitos visando à inclusão.
www.fundacaodorina.org.br | www.facebook.com/fundacaodorina


Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Dicas para prevenção da cegueira


A Organização Mundial da Saúde aponta que, se houvesse um número maior de ações efetivas de prevenção e/ou tratamento, 80% dos casos de cegueira poderiam ser evitados.

Glaucoma, retinopatia diabética, atrofia do nervo ótico, retinose pigmentar e degeneração macular relacionada à idade (DMRI) são as principais causas da cegueira na população adulta. Entre as crianças, as principais causas são glaucoma congênito, retinopatia da prematuridade e toxoplasmose ocular congênita.

A avaliação oftalmológica permite a detecção de problemas visuais, o diagnóstico e a indicação do tratamento adequado para a garantia da saúde ocular.

A prevenção parte de uma melhoria nas condições de vida da população que resulta em melhoria da saúde em geral, inclusive a ocular. Para evitar a cegueira na infância é importante ainda a vacinação de mulheres adultas, fundamental na prevenção da rubéola, do sarampo, da toxoplasmose, que podem levar doenças congênitas às crianças cujas mães a possuem. Já o adulto deve fazer o acompanhamento regular de doenças metabólicas e preexistentes, como pressão alta e diabetes, que também podem causar cegueira.

Vale lembrar que um serviço especializado, na área de reabilitação, de educação especial ou de clínica de visão subnormal, oferece à pessoa com deficiência visual, de todas as faixas etárias, tratamento adequado às suas necessidades, proporcionando condições para um desenvolvimento pleno, de acordo com seu potencial individual e situação social, educacional e econômica, visando a sua inclusão social.

Cuidados com a visão na infância

  • Seguir corretamente o pré-natal, porque existem doenças, como rubéola, sífilis e toxoplasmose, que podem causar cegueira ou visão subnormal no feto.
  • Realizar exame oftalmológico no recém-nascido sempre que for observada qualquer alteração ocular, como: olhos muito grandes, lacrimejamento intenso, mancha branca na menina dos olhos.
  • Vacinar periodicamente a criança para evitar doenças que possam causar problemas visuais, como sarampo, rubéola, meningite, varíola etc.
  • Usar medicações e colírios somente com indicação médica.
  • Deixar fora do alcance das crianças produtos de limpeza, objetos pontiagudos (facas, arame, tesoura), fogos de artifício e plantas tóxicas.
  • Procurar um médico ao entrar ciscos ou fagulhas nos olhos. Não esfregar nem retirar com a ajuda de objeto caseiro.
  • Usar cinto de segurança no trânsito e colocar crianças no banco traseiro.
  • Colocar óculos de proteção no trabalho e em casa, sempre que lidar com substâncias perigosas: inseticidas, ácidos, poeira e principalmente ao trabalhar com solda.
  • Fazer aconselhamento genético em caso de casamento consanguíneo.

* Crianças com problemas de visão devem receber tratamento e orientação o mais precocemente possível. Para o desenvolvimento de um trabalho adequado, procure profissionais especializados na área da deficiência visual.
Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter